domingo, 28 de março de 2010

Flagra


Atendendo a inúmeros pedidos (tá bom, confesso que foi só um), vou contar algo que creio já ter contado antes por aqui. Ou será que foi em alguma comunidade do Orkut? Meus neurônios já conheceram dias melhores... Seja como for, vou contar a primeira vez em que fui flagrada dormindo nua, pois como todos(as) os(as) leitores(as) deste singelo blog já sabem, eu costumo dormir nua. Se alguém já leu essa história antes, paciência. Não tenho problemas em dizer a mesma coisa mais de uma vez.

Na minha adolescência, quando eu ainda morava com meus pais, eu já dormia nua, mas apesar de sempre fechar a porta do quarto eu nunca a trancava, pois minha família conhecia há tempos esse meu hábito peculiar. Só que em certa ocasião minha mãe contratou uma empregada doméstica evangélica, daquelas bem radicais, crente da Assembléia de Deus. Digo isso sem preconceito, mas apenas para contextualizar a coisa, pois como já postei aqui antes, eu respeito profundamente a opção religiosa dos outros. Ela era daquelas que quando não tinha serviço ficava lendo a Bíblia. Uma fiel estrita, como se vê.

Pois bem, em determinado dia eu tinha voltado de uma festa muito tarde da noite e acabei dormindo a manhã inteira. Adolescente, todos sabem: dorme mais que bicho-preguiça, ainda mais depois da balada. Depois do café da manhã, a empregada começou a limpar a casa, como sempre fazia. Só que normalmente eu acordava antes dela limpar meu quarto, portanto, ela só costumava me ver acordada e - evidentemente - vestida. Naquele dia em particular, sem saber que eu ainda estava dormindo, ela abriu a porta do meu quarto subitamente e deu de cara com uma cena incomum: eu deitada em minha cama, profundamente adormecida e totalmente nua, como vim ao mundo.

Escandalizada, ela fechou a porta e foi correndo avisar minha mãe daquela "pouca vergonha". Minha mãe, conhecedora desse meu hábito peculiar, a acalmou e explicou que "aquilo não era nada demais". A empregada não pareceu ficar muito satisfeita com os argumentos ponderados da minha mãe, mas deixou por isso mesmo. Só ao fim do dia fui descobrir o que havia acontecido, quando a mãe me contou a história, sem conseguir esconder o riso. Desde então eu passei a dormir com minha porta trancada, para evitar que ser condenada mentalmente ao fogo do inferno.

O fato é que, desde aquele dia, a empregada passou a me olhar de um jeito diferente. Não hostil, mas levemente desconfiado. Vai ver ela passou a acreditar que eu estava com o diabo no corpo, por causa do meu hábito de dormir nua. Nada que um bom exorcismo na igreja dela não curasse.

Pensando bem, talvez ela tivesse razão. Talvez eu tenha mesmo "o cão no couro", ao menos em certas ocasiões. Quando a Pomba Gira me vira a cabeça eu não respondo por mim (quem sabe?)
Ah, mas como é bom dormir nua! Como é boa a sensação de liberdade, os lençois se enroscando em minhas pernas, meus seios em contato direto com a cama... Não tem jeito: I`m on a highway to hell, baby.

3 comentários:

Val disse...

Obrigada!hehehe
Mas então...apesar de ser um hábito antigo,dá para ver que tem uma certa motivação ou uma recompensa sensual,como um "presentinho" que vc se dá todos os dias.
Os voyers de plantão e nossa imaginação agradecem..rsrsrs
Tá ótimo
Beijos
v.

{diva_elfa}AL disse...

Concordo com vc, dormir nua é maravilhoso!! A sensação de liberdade é indescritível!
Vi vc no formspring e curiosa que sou estou aqui, "conhecendo-a" rs
beijos

Anônimo disse...

Bah tu é uma baita safada dormir pelada kkkk