quinta-feira, 4 de abril de 2013

Atitude


É isso mesmo, garota. Atitude é a palavra. Eu já escrevi sobre struggling aqui no blog e o que penso a respeito está ali. E uma coisa está ligada a outra. Não se renda, não aceite passivamente sua imobilização. Ainda que o objetivo da prática do bondage não seja se livrar das amarras, mas sim aproveitar o momento, tente se soltar usando o nível de força adequado; não se esforce tanto a ponto de ficar rapidamente esgotada nem faça "corpo mole", como se ser restringida em seus movimentos fosse algo tão natural como tomar um cafezinho.

Mesmo que sua imobilização a deixe sem escapatória, mesmo assim não desista. Mexa seu corpo de uma forma ou de outra, como se aquela situação fosse injusta e você quisesse se livrar dela. Na verdade, você só está nessa situação para seu próprio prazer e, secundariamente, para a satisfação de seu parceiro (por favor, não inverta as prioridades). Lembre-se: você não é uma mortadela de cantina italiana para ficar amarrada e imóvel. Mas também não se canse à toa.

Também não fique implorando ao seu homem para ser solta. Se você pediu para ficar nessa situação, não negue fogo e se comporte como uma mulherzinha. Quem não sabe brincar não desce para o play e quem está na chuva é para se molhar. Tenha atitude e, se quiser que ele a solte, seja assertiva em seu pedido. Se ele recusar, repita o pedido de forma educada, mas enfática. Se ele quiser transar com você enquanto está imobilizada e você também estiver a fim, tudo bem. Mas se não quiser, reaja, mexendo-se. Ele vai ficar ainda mais excitado, acredite. E mesmo que ele já esteja dentro de você, continue reagindo e se mexendo. Ele vai enlouquecer, pode acreditar, e se você entrar no jogo, vai ter o orgasmo da sua vida.

Seja como for, nunca deixe de lado a atitude. A atitude é o ponto forte da bondagette independente, que encara o bondage da forma que eu encaro.

9 comentários:

Patricia disse...

Eu sei que esse não é o ponto mas eu não faço corpo mole não deixo ser amarrada fácil luto grito mas inutilmente . Adoro quando meu namorado me pega me joga na cama mesmo eu implorando dizendo que não quero.Mesmo assim ele tira minha roupa e me amarra na cama. Eu particularmente acho que a mordaça é dispensável . Mas não ha nada que se possa fazer quando se esta completamente imobilizada .

Luis disse...

Poxa Val, não escreve mais??
Bjos

{helen}_Dom SaMmAeL disse...

Oi Valéria, prazer. Gostei dos seus últimos 2 posts. Fiz uma referência ao seu blog no meu, e coloquei um link do seu.

Vou acompanhar sua página.
Beijos.

Valeria Z. disse...

Patrícia, adorei sua atitude. Acredito que seu namorado deve ficar alucinado. Parabéns!

Valeria Z. disse...

Luis, vou voltar a escrever em breve. Bjs!

Valeria Z. disse...

Helena, muito obrigada. Prometo conferir seu blog com calma, dentro em breve. Bjs!

► JOTA ENE ◄ disse...

Gostei de te ler... continuarei por aqui .

Beijos desde Lisboa !

Valeria Z. disse...

Beijos d`além mar e volte sempre que quiser!

Il Divo disse...

Pois é... Cordas são versáteis e imprevisíveis e que quem está dentro, nunca sabe exatamente a situação, ou a posição que estará em seguida.